ARGUMENTAÇÃO E LEITURA: a importância do conhecimento prévio

 

Isabel Cristina CORDEIRO (UEL-PG)

 

INTRODUÇÃO

 

Os estudos de Orlandi (1987), Smith (1999), Kleiman (1989), Koch & Fávero (1983), Koch (2002a; 2004), Guimarães (1989), entre outros, alteraram significativamente o ensino de língua portuguesa em nosso país.  Ao analisar a situação de ensino-aprendizagem nas escolas, esses teóricos propõem uma nova abordagem para que este processo parta do aluno, tendo como objetivo torná-lo um usuário crítico nas várias atividades de expressão, particularmente, na leitura e na escrita. Como afirma Geraldi (1991), essa transformação visa a considerar o texto como ponto de partida e, ao mesmo tempo, como ponto de chegada, entendendo-o como uma unidade completa de sentido. Porém o texto, ainda hoje, tem servido, muitas vezes, como pretexto para análise gramatical. A mudança deve ocorrer em todos os níveis de ensino e com todos os participantes do processo de ensino-aprendizagem.

O governo, ao divulgar os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998), objetivou uma mudança no ensino tanto na sua estrutura quanto nas disciplinas: a ênfase agora se concentra nos conhecimentos interdisciplinares, nos quais a leitura e a capacidade crítica têm papel fundamental. Nesse sentido, os PCNs (1998:40) incentivam a “possibilidade de o aluno poder expressar-se autenticamente sobre questões efetivas”.

Desse modo, os temas sociais presentes em nosso dia-a-dia “abrem possibilidades para o trabalho com a argumentação – capacidade relevante para o exercício da cidadania – por meio da análise de formas de convencimento empregadas nos textos, da percepção da orientação argumentativa que sugerem, da identificação dos preconceitos que possam veicular no tratamento das questões sociais etc.” (idem; p. 41).

Assim, na relação entre argumentação e leitura os alunos precisam interagir com o texto para construírem sentidos na leitura, captando os meandros argumentativos presentes no referido texto. Colocar em cena, então, nos bancos escolares, as técnicas ou recursos argumentativos forneceria, possivelmente, ferramentas para que o aluno pudesse argumentar com mais segurança e, sobretudo, com mais criatividade e criticidade. Em outros termos, possibilitaria ao aluno obter maior êxito no ato de ler e, conseqüentemente, entender “a diversidade dos pontos de vista e as formas de enunciá-los”, além de aprender “a convivência com outras posições ideológicas, permitindo o exercício democrático”. (PCNs, 1998: 40)

Os manuais didáticos apresentam farto material para a promoção da discussão de temas sociais, mas no que diz respeito aos exercícios de compreensão textual, poucos apresentam noções como pressupostos, inferências, premissas, entre outros, e raramente sugerem atividades que levem à criticidade e à reflexão. Nessa perspectiva, a leitura caracteriza-se pela possibilidade de interagir com o universo conceitual do outro, fato em que o domínio mecânico da leitura representa apenas um dos aspectos necessários para que se estabeleça a interação autor-leitor. Para que se perceba mais claramente como funciona a teoria da compreensão de textos, alguns aspectos devem ser considerados, como a argumentação, a leitura, o conhecimento prévio e a intertextualidade.

 

  1. ARGUMENTAÇÃO E LEITURA

 

Uma questão importante na teoria da compreensão de texto é a noção de língua que se adota. A língua é variável, heterogênea e sempre situada em contextos de uso. Justamente por se valorizar a fala é que a língua permite a polissemia. Segundo Ducrot (apud Guimarães, 1989:38): “a língua, vista como um conjunto de frases semanticamente descritas, determina, parcialmente pelo menos, as argumentações e valores argumentativos apresentados no discurso. Esta é a tese fundamental da teoria da argumentação da língua”.

 A atividade de compreensão de texto é sempre uma atividade de co-autoria, pois os sentidos são parcialmente produzidos pelo texto/emissor e parcialmente completados pelo leitor.

O texto não é algo pronto, fechado e acabado; ele é um processo. Esse processo completa-se com a interação do leitor junto ao texto. Ao leitor cabe o papel de buscar as pistas fornecidas pelo autor no texto, utilizando todo o conhecimento prévio que tem armazenado na memória. Deve ler as entrelinhas (as informações não-visuais) para chegar à compreensão do texto, mas também deve estar atento às marcas lingüísticas, aos mecanismos responsáveis pela argumentação como os operadores argumentativos, os marcadores de pressuposição, os modalizadores, a linguagem figurada, a seleção lexical, a repetição, a topicalização etc., assim como aos recursos gráficos: tipo e tamanho de letra, uso de itálico, negrito, travessões, aspas, reticências.

Van Dijk e Kintsch (1983, apud Koch, 2004:26) citam, como principais estratégias de processamento cognitivo, as estratégias proposicionais, as de coerência local, as macroestratégias e as estratégias esquemáticas ou superestruturais, além das estilísticas, retóricas, não-verbais e conversacionais.

Ao utilizar o processo cognitivo, o leitor estará realmente realizando uma atividade de produção de sentidos – será um leitor maduro realizando uma atividade criativa. E para transformar o aluno num leitor maduro e autônomo, é essencial que todos os gêneros textuais figurem em sala de aula, garantindo, assim, que o aluno seja submetido a textos publicitários, poéticos, narrativos, informativos, prescritivos etc. O professor deve partir do princípio de que a compreensão depende das relações que o leitor estabelece com o texto durante a sua leitura, partilhando com os alunos que todo texto é argumentativo, por isso é necessária uma análise dos mecanismos persuasivos utilizados para a sua construção.

 

1.1    ARGUMENTAÇÃO

 

A segunda metade do século XX presencia um verdadeiro processo de revalorização da Retórica, marcado pelos estudos de diferentes campos: a Análise do Discurso, a Pragmática, a Teoria dos Atos de Fala, a Semântica Argumentativa, entre outros.

Chaim Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca postularam, na obra Traité de l´argumentation (1958), uma volta à retórica aristotélica, procurando desvendar, na linguagem, os elementos de persuasão capazes de ganhar a adesão do interlocutor a uma tese proposta, sem fazer uso de uma argumentação constrangedora e forçosa.

Assim, o conceito de argumentação passa a ser um levar a crer, um ato persuasivo com a utilização de técnicas próprias engendradas no discurso, induzindo, de forma sutil, o argumento que vai provocar a adesão do interlocutor, pois muitos fatores contribuem para a eficácia da argumentação: a intertextualidade, a sinonímia, as figuras de retórica, as máximas e slogans, as formas gramaticais etc.

Percorrendo a trajetória da argumentação, a Lingüística – cujo objeto de estudo era restrito à língua (langue) – desloca sua visão para a fala (parole), relacionando o discurso e a língua ao homem e à sociedade. Surge, então, a Teoria da Enunciação, que teve como precursor o lingüista francês Émile Benveniste (1902-1976). Se antes o sujeito do discurso era visto como passivo, Benveniste se propôs a desenvolver uma teoria na qual incluía a (inter)subjetividade na linguagem, evidenciando, dessa forma, a relação interativa entre os interlocutores do discurso.

Para Castro (1996:31), “a intersubjetividade é o estado resultante do ato comunicativo. Ela representa a transcendência do mundo privado de cada um dos participantes no diálogo: fala-se a partir das ‘premissas do ouvinte’ e ouve-se a partir das ‘premissas do falante’. Há, pois, uma condição para o sucesso do ‘estado intersubjetivo’: é preciso tomar o papel do outro”.

  A Lingüística da Enunciação, concebendo a linguagem como produção, objetiva captar a multiplicidade dos fenômenos instaurados na língua e a partir da língua.

Na década de 80, a argumentação ganhou terreno nos estudos lingüísticos, propiciando o surgimento da Semântica Argumentativa. Koch (2002a: 10) defende a proposta de que o ato lingüístico fundamental é o ato de argumentar. Para a autora, “o ato de argumentar é visto como o ato de persuadir que procura atingir a vontade, envolvendo a subjetividade, os sentimentos, a temporalidade, buscando adesão e não criando certezas”. 

Desta forma, ainda segundo Koch (idem; p.15), “a linguagem passa a ser encarada como forma de ação, ação sobre o mundo dotada de intencionalidade, veiculadora de ideologia, caracterizando-se, portanto, pela argumentatividade”. Argumentar é levar a crer, é a arte de convencer e persuadir.

Segundo Abreu (2003:25), “convencer é saber gerenciar informação, é falar à razão do outro, demonstrando, provando... persuadir é saber gerenciar relação, é falar à emoção do outro”.

São nas marcas, nos indícios, nos sentidos periféricos, não vistos, num primeiro momento, por quem procura uma idéia central do texto, que se revelam as contradições do discurso. “O jogo ideológico está na dissimulação dos efeitos de sentido sob a forma de informação, de um sentido único, e na ilusão discursiva dos sujeitos de serem a origem de seus próprios discursos”. (Orlandi, 1987:32)

Para Mello (2002: 451-2), “a argumentação é um instrumento eficaz para a leitura e interpretação de textos, capaz de levar o leitor a exercer, conscientemente, o seu sentido crítico e o seu juízo. (...) O discurso persuasivo destina-se a agir sobre os outros por meios afetivos e racionais, pois, em retórica, razão e sentimento são inseparáveis”.

                         Com a mesma linha de pensamento, Perelman e Olbrechts-Tyteca, no livro traduzido Tratado da Argumentação (1996), descrevem a argumentação como uma ação de um indivíduo (locutor) sobre outro indivíduo (auditório), com o objetivo de desencadear outra ação (adesão). A argumentatividade, para eles, é uma característica inerente a todo discurso.

                         Osakabe (1999:186), analisando os estudos realizados pelos autores acima, comenta sobre a importância da retórica para os estudos da linguagem. “A Retórica não abrange somente gêneros específicos, mas também todo domínio discursivo que tenha como finalidade a adesão”.

A atividade de compreensão acontece a partir da identificação de marcas da intenção do autor, produzidas por meio de operações de linguagem presentes no discurso. A leitura é um fenômeno complexo que exige do leitor a ativação de diferentes competências. É essa atuação que permite ao homem não apenas comunicar-se, mas, essencialmente, agir através da linguagem.

                         “A linguagem é uma dialogia, ou melhor, uma ‘argumentalogia’; não falamos para trocar informações sobre o mundo, mas para convencer o outro a entrar no nosso jogo discursivo, para convencê-lo de nossa verdade”. (Oliveira; 2001:28)

 

1.2 LEITURA E CONHECIMENTO PRÉVIO

 

  A leitura não pode ser concebida única e exclusivamente como um processo de decodificação. Embora haja decodificação, não é o suficiente para que a leitura se concretize. Segundo Scott (1983), “a leitura não é a habilidade de decodificar palavras, mas sim de se extrair o significado, o implícito e explícito do texto escrito. É um processo seletivo e ao mesmo tempo, um jogo de adivinhação psico-lingüístico que envolve uma interação entre pensamento e linguagem”.

O texto, neste sentido, faz a mediação para a comunicação ou interação entre dois contextos: o do autor e o do leitor. É neste sentido que autor e leitor interagem atribuindo significados ao texto. Como afirma Koch (2002a:160): “a atividade de interpretação do texto deve sempre fundar-se na suposição de que o produtor tem determinadas intenções e de que uma compreensão adequada exige, justamente, a captação dessas intenções por parte de quem lê: é preciso compreender-se o querer dizer como um querer fazer.”

  Dessa forma, a leitura é um processo cognitivo que depende da participação do leitor, o qual atua dotado de sua própria “bagagem” cultural, participando também da construção do significado. E nessa relação com o texto, em busca das intenções do autor, o leitor torna-se participante da interação comunicativa. E essa interação comunicativa ocorre porque “a leitura não se configura como um processo passivo (...). Por exigir descoberta e re-criação, a leitura coloca-se como produção e sempre supõe trabalho do sujeito-leitor (...), então o leitor, além de partilhar e re-criar referenciais de mundo, transforma-se num produtor de acontecimentos, em função do aguçamento da compreensão e de sua consciência crítica”. (Silva, 1991:25)

O processo de leitura é considerado ativo porque inclui predição, elaboração de hipóteses, previsões a respeito do texto e o leitor observa os recursos visuais, gráficos e sonoros (título, ilustração, gráfico, silhueta, tipo de letra etc) e levanta uma série de hipóteses e começa a testá-las. Como afirma Leffa (1996:14), “a qualidade do ato da leitura não é medida pela qualidade intrínseca do texto, mas pela qualidade da reação do leitor”.

Para Kleiman (1989:27), “(...) leitura implica uma atividade de procura pelo leitor, no seu passado de lembranças e conhecimentos, daqueles que são relevantes à compreensão de um texto, que fornece pistas e sugere caminhos, mas que certamente não explicita tudo o que seria possível explicitar”.

Para a referida autora, a leitura é um processo interativo, pois resulta da interação de diversos níveis de conhecimento – o conhecimento lingüístico, o conhecimento textual e o conhecimento de mundo. Para compreender um texto, o leitor utiliza o conhecimento prévio que é constituído por todo o conhecimento reunido ao longo de sua vida.

O processo cognitivo de leitura pode ser melhor compreendido quando se tem um conhecimento mais abrangente sobre as estratégias de leitura e sobre os recursos argumentativos, o que possibilita uma participação mais  crítica do aluno-leitor.

 

1.3 ESTRATÉGIAS DE LEITURA

                              

Kleiman (1996) vê a leitura como um processo cognitivo e procura delinear seu processamento. Trata especificamente dos aspectos ligados à relação entre o sujeito-leitor e o texto enquanto objeto, entre linguagem escrita e compreensão, memória, inferência e pensamento.

A leitura começa na percepção do objeto pelos olhos através de um movimento não linear. Grande parte da mensagem daquilo que lemos é inferida ou adivinhada, levando a crer que a leitura é um “jogo de adivinhações”, como afirma Goodman (1991).

Independentemente do objetivo de leitura e do tipo de tarefa, os leitores utilizam estratégias de leitura, operações utilizadas para abordar o texto, as quais podem ser cognitivas (operações inconscientes) e metacognitivas (passíveis de controle consciente, pois partem do senso comum). São as estratégias que particularizam a construção do sentido da leitura, uma vez que ler exige a ativação de diferentes competências e esquemas apropriados. Trata-se do conhecimento de cada leitor trabalhando de forma ativa e determinando como o texto será compreendido.

A inferência é uma estratégia cognitiva muito utilizada na leitura. Segundo Koch e Travaglia (1993:70), inferência é “aquilo que se usa para estabelecer uma relação, não explícita no texto, entre dois elementos desse texto”. É resultante da ativação dos esquemas do leitor e permite que este infira, com base no conhecimento prévio, a respeito do desconhecido. A inferência permite ao leitor “construir novas proposições a partir de outras já dadas”. (Marcuschi, 1984:25)

Por ser uma operação cognitiva, o processo de inferência pode variar muito de indivíduo para indivíduo, já que depende do nível de conhecimento que o leitor tem armazenado na memória (conhecimento prévio).

Outra estratégia cognitiva utilizada na leitura é a previsão. É constituída pela habilidade do leitor em prever e antecipar o que ainda está por vir. Baseia-se tanto nas informações explícitas como nas inferidas, de modo que o leitor, no decorrer do processo, dificilmente tem consciência se determinado conteúdo estava explícito ou se foi inferido.

 

  1. RELAÇÃO ENTRE INTERTEXTUALIDADE E CONHECIMENTO PRÉVIO

 

Quando um texto retoma o conteúdo de outro(s), ocorre uma intertextualidade, ou seja, eles “dialogam” entre si. Um aspecto relevante no modo de interagir com um texto é o conhecimento partilhado entre autor (texto) e leitor. Para realizar uma leitura eficiente, o leitor precisa compartilhar das informações que o autor empregou e aliar a própria visão de mundo à realidade transmitida pelo texto. A cada leitura realizada, mais conhecimento prévio o leitor armazena, o que favorece a construção de sentidos dos textos.

Como diz Koch (2004:145), essa “(inevitável) presença do outro naquilo que dizemos ou escrevemos”, ou seja, a intertextualidade, é um recurso argumentativo que pode estar explícito ou implícito, mas que certamente requer a ativação do texto-fonte na mente do leitor no intuito de orientar a compreensão daquilo que se lê.

Nos exemplos a seguir, percebe-se, claramente, que um dos objetivos dos produtores desses textos é que o leitor/ouvinte seja capaz de reconhecer a presença do intertexto pela ativação do texto-fonte em sua memória discursiva. Assim, a construção dos sentidos estará parcialmente garantida pelo reconhecimento do texto-fonte que deu origem ao novo texto.

No primeiro exemplo, um dos objetivos de Mauricio de Sousa é mostrar o “grande dilema existencial” que a comilona personagem Magali vive: comer ou não comer, eis a questão! A capa do gibi remete o leitor, imediatamente, ao texto-fonte: Hamlet, de W. Shakespeare: “To be or not to be, that’s the question!”, ou seja, “Ser ou não ser, eis a questão!”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No segundo exemplo, o quadrinho de Fernando Gonsales – Níquel Náusea – retoma a fábula “A cigarra e a formiga”, por meio de uma paródia. O leitor necessita reconhecer o texto original para compreender a tirinha e perceber o humor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No terceiro exemplo, o anúncio publicitário utiliza a expressão idiomática “ter o rei na barriga”, sugerindo que a mulher gestante ofereça ao seu bebê, a quem ela considera a pessoa mais importante (“rei”), produtos da marca e qualidade Lillo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

É importante ressaltar a diversidade de gêneros textuais presentes nos exemplos em análise: HQ, capa de gibi, anúncio publicitário, fábula, dito popular e teatro clássico. Isso comprova que uma multiplicidade de textos deve circular em sala de aula, uma vez que os textos veiculados socialmente requerem do leitor conhecimentos anteriores e, principalmente, porque interagimos por meio de diversos gêneros discursivos.

 

CONCLUSÃO

 

                         Enquanto lê, o indivíduo interage, dialoga com o texto que tem à sua frente, ativando uma série de operações mentais e estratégias de leitura. Formar um leitor crítico requer um trabalho diferenciado por parte dos professores. O material selecionado deve ser adequado ao interesse dos alunos e deve estimular o gosto pela leitura. O professor, antes de tudo, deve ser um leitor crítico e capacitado a ensinar. Assim, o processo de ensino-aprendizagem terá um obstáculo a menos a ser vencido.     Para Jolibert (1994): “Ensinar é ajudar alguém em seus próprios processos de aprendizado”. Se ensinar é ajudar alguém em seus próprios processos de aprendizado, o professor de língua portuguesa deve, então, ter em mãos um material adequado ao ensino de leitura e compreensão textual.

Como antecipa a referida autora, “não se ensina uma criança a ler”: é ela quem se ensina com a ajuda do professor, de seus colegas, dos instrumentos da aula e também de seus pais. Cada criança possui seus próprios processos, seus obstáculos e dificuldades a vencer.

                         A leitura implica uma interação entre o conhecimento prévio do leitor e os dados fornecidos pelo texto. Conscientes disso, os alunos compreenderão suas próprias estratégias de leitura, ou seja, “o quê” e “como” fizeram para alcançar a compreensão de um texto.

“Leitor maduro é aquele para quem cada nova leitura desloca e altera o significado de tudo o que ele já leu, tornando mais profunda sua compreensão dos livros, das gentes e da vida”. (Lajolo: 1993).

BIBLIOGRAFIA

ABREU, Antônio Suarez. A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. 6ª ed. Cotia, Atelier, 2003.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino fundamental 3º e 4º ciclos: Língua Portuguesa. Brasília, MEC/SEF, 1998.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo, EDUC, 1999.

CASTRO, Maria Fausta. Aprendendo a argumentar: um momento na construção da linguagem. 2ª ed. Campinas (SP), Editora da UNICAMP, 1996.

DUCROT, Oswald. Enunciação. Enciclopédia Einaudi. Vol. 2. Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1984.

FÁVERO, Leonor & KOCH, Ingedore. Lingüística textual: introdução. São Paulo, Cortez, 1983.

GERALDI, João W. (Org.). Portos de passagem. São Paulo, Martins Fontes, 1991.

GOODMAN, Kenneth S. “Unidade na leitura – um modelo psicolingüístico transacional”.  Letras de Hoje. nº 26, dez 91. p. 09-41.  

GUIMARÃES, Eduardo. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. Campinas (SP), Pontes, 1989.

JOLIBERT, Josette e colaboradores. Formando crianças leitoras. Porto Alegre, Artes Médicas, 1994.

KLEIMAN, Ângela. Texto e leitor – aspectos cognitivos da leitura. Campinas/São Paulo, Pontes, 1989.

________________ Oficina de leitura: teoria e prática. Campinas/São Paulo, Pontes, 1993.

________________ Leitura: ensino e pesquisa. Campinas: Pontes, 1996.

KOCH, Ingedore V. Argumentação e linguagem. 7ª. ed. São Paulo, Cortez, 2002a.

_______________ Desvendando os segredos do texto.São Paulo, Cortez, 2002b.

_______________ Introdução à Lingüística Textual: trajetória e grandes temas. São Paulo, Martins Fontes, 2004. (Coleção Texto e Linguagem).

KOCH, I. & TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual. São Paulo, Contexto, 1993.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. São Paulo, Ática, 1993.

LEFFA, Vilson. Aspectos da leitura/uma perspectiva psicolingüística. Porto Alegre, Sagra Luzzato, 1996.

MARCUSCHI, Luiz A. Lingüística do texto: o que é e como se faz. Recife, UFPE, 1983.

__________________ Leitura como processo inferencial num universo cultural-cognitivo. Encontro Interdisciplinar de Leitura I, Londrina/PR, 1984.

__________________ Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo, Cortez, 2000.

MELLO, Eunice. “O discurso jornalístico: uma leitura retórica”. Anais do 8° Congresso Brasileiro de Língua Portuguesa. São Paulo, IP-PUC/SP, 2002.

OLIVEIRA, Roberta Pires de. “Semântica”. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. (Orgs.) Introdução à Lingüística: domínios e fronteiras. Vol. 2. São Paulo, Cortez, 2001.

ORLANDI, Eni. “As histórias das leituras”. IN: VIII Anais de Seminários do GEL. Assis: SP, 1984.

______________ A linguagem e seu funcionamento. 2ª ed. Campinas (SP), Pontes, 1987.

______________ Discurso e leitura. São Paulo, Cortez, 2001.

OSAKABE, Hakira. Argumentação e discurso político. 2.ed. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

PERELMAN, Chaim e OLBRECHTS – TYTECA, Lucie. Tratado de argumentação: a nova retórica. Trad. M. E. Galvão Pereira. São Paulo, Martins Fontes, 1996.

SCOTT, Michael. “Lendo nas entrelinhas”. Cadernos PUC, nº 16, 1983. p.101-24

SILVA, Ezequiel T. Leitura & Realidade Brasileira. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1983.   

______________  O ato de ler: fundamentos psicológicos para uma nova pedagogia da leitura.  São Paulo: Cortez, 1984.

______________ Leitura na escola e na biblioteca. 3ª ed. Campinas (SP), Papirus, 1991.

SMITH, Frank. Compreendendo a Leitura: uma análise psicolingüística da leitura e do aprender a ler. Porto Alegre, Artes Médicas, 1989

___________ Leitura Significativa. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre, Artes Médicas, 1999.

VOGT, Carlos. Linguagem, Pragmática e Ideologia. São Paulo, Hucitec/Funcamp, 1989.